segunda-feira, maio 15, 2006

OMAR SOSA


Parece que o pianista cubano vai estar em Famalicão no dia 27 de Maio. Na casa das Artes de Famalicão. o bilhete custa 12€. A não perder!

O QUE É NACIONAL NÃO É BOM!



O nosso preconceito em relação a nós próprios é nojento. Cega as pessoas de uma maneira que as leva a ver mal uma coisa que está bem. Neste caso refiro-me ao desafio: Jazz nacional versus Jazz do Resto Mundo.
Fui no sábado ao Matosinhos Jazz, ver a "final". TGB vs Dave Holland.
A meio do sete do grupo nacional TGB ouvi o seguinte comentário: ok! Mais uma tentativa, vá lá! É triste ouvir isto, e quando oiço isto penso logo que a pessoa que produziu este comentário não percebe piveas de música e está para ali a armar-se em esperta. Fica só impressionada pela quantidade de notas por segundo e não vai mais além. Mas é o tal complexo em relação ao que é nosso. Que se há-de fazer? Eu até gostava de levar algumas pessoas lá a casa para ouvirem alguns cd's que lá tenho. Iam dizer: Muito bom! Excelente! e quando soubessem que era jazz feito cá no nosso Portugal ficariam com cara de cú com certeza.
Em relação aos concertos de sábado, o projecto TGB: tuba (Sérgio Carolino), guitarra (Mário Delgado) e o bateria (Alexandre Frazão). Muitas ideias, muito para contar e eles sabem como falar. Pode-se dizer que assistimos a uma conversa onde se abordam vários temas, e cada músico vai intervindo na conversa de modo a enriquecê-la. Na minha humilde opinião é um projecto que é bom aqui, e em qualquer parte do mundo (incluindo Japão de onde regrassaram da tournée), é do melhor e está ao nível de qualquer americano.

Seguiu-se o quinteto de Dave Holland:
Chris Potter – Sax
Robin Eubanks – Trombone
Seteve Nelson – Vibrafone
Dave Holland – Contrabaixo
Nate Smith - Bateria

Excelentes músicos reconhecidos mundialmente. Eu sinceramente estava à espera de mais. Os músicos são realmente uns virtuosos mas eu já não estou na fase em que fico impressionado porque um músico toca 300 notas por segundo. Quero ideias, tocar um tema e improvisar em cima dele durante 20 minutos dá-me sono. E dque maneira. Acho que solos com mais de 5 minutos são demasiado pesados e não foram poucos. O silencio também existe na música. Os músicos eram excelentes, nada a apontar à sua técnica mas além da atitude "eu sou muito bom e sou ameriacano, look at me!" podiam deixar de "falar" tanto. Fizeram-me lembrar aquelas conversas em que só uma pessoa fala incessantemente e não deixa mais ninguém falar. Cheguei a cronometrar um dos solos do saxofonista, 5 minutos e 45 segundos. É demasiada informação e não se retém nada. Nós portugueses ja sabemos o que é Jazz. Ao contrário dos sopros o sr Steve Nelson no Vibrafone, está a alguns anos/luz à frente dos sopros apenas impressionaram pela técnica do " eufalomuitodepressaenãomecaloenquantovocêsnãomeaplaudirem". De facto o Sr. Steve Nelson é extremamente inteligente. Inteligente ao ponto de perceber que os outros não se calavam e que a conversa/monólogo ja ia longa, demasiado longa. Optou por falar pouco, mas bem. Explicou-nos em poucas palavras quais são as suas fortes ideias e até nos deu tempo para pensar nelas e ouvi-las. Fica aqui o meu obrigado. Obrigado por não me deixar dormir. Os seus silencios e escolha de notas mantiveram-me desperto. Adorei. De facto nunca bocejei nos solos dele. Muito bom.
O Dave Holland acho que cumpriu o seu dever e até teve de dar o litro chegando mesmo a tremer quando o baterista lhe pregou algumas partidas. Pois é, isto não é só nome.
Gostei muito do baterista, excelente. As suas quebras ritmicas deram muito que fazer ao resto dos companheiros. Foi mais um a mater-me acordado.

Quanto à maioria das pessoas sei que não partilha da minha opinião mas o facto é que é impossivel reter tanta informação de uma só vez.
Para finalizar fico com a certeza de que nomes como Mário Delgado, Alexandre Frazão, Bernardo Moreira, João Paulo Esteves, Mário Laginha, Maria João, Carlos Martins, etc. estão ao nível dos grandes nomes do Jazz Mundial.

quarta-feira, abril 19, 2006

Ó PEP! VAI-ME À LOJA!


Viva os anos 70! Vivaaaaa!
O PEP é o novo passaporte, aliás paxapogte!
Espectadog, veja pog favog oz linkz abaixo, nem meguecem comentáguioz.

Um osso muito duro de roer.
Coitadinhos dos falsificadores. Caramba! chiça! Não se faz pá!


A zona de gueconhecimento pog leituga óptica.

(Eu não tgoco os égues. Falo é com a voz muito colocada e vocês não pegcebem. pegcebegam?)

O mistério do chip no passaporte.
(Que caso tão intrigante. E o Zé Gato está metido nisto até à ponta dos cabelos.)


Perxonagenz xélebrez da noxa hiztória e da noxa cultura.

(Ó Camões, olha tu aqui pá! Eh! Eh! tás a ver, pá? hã? Ah, tu es zarolho. Esqueci-me pá. Desculpa!)


(Isso, minha senhora! Isso! Assim... óóóó... minha senhooooora.

(Ambrósio apetece-me algo...
Então vamos para sua casa minha senhora.)

Obguigado pog me tegues mostgado estas pégolas Coisas-que-fascinam, estou fascinado.

segunda-feira, abril 17, 2006

O PURGATÓRIO É O LIMITE

Entretanto e como tenho tido pouco tempo para aprofundar as minhas teses, o meu amigo Silvio fez-me um favor muito melhor que rezar por mim. Enviou-me alguns links onde pecar não é pecado. Eu sei que não faz sentido mas é a verdade ora vejam:


CLUBE DE FÃS DE SUA SANTIDADE



OPUS DEI


VATICANO ONLINE

domingo, abril 16, 2006

VALHA-NOS DEUS!

Caros amigos afinal é pecado estar vir ao meu blogue. Segundo o Vaticano estamos todos a pecar.

Rezem por favor uma avé-maria e dois pais nossos por mim. Amén!

sexta-feira, abril 07, 2006

DESAPARECEU DA CASA DE SEUS PAIS


Afinal temos Presidente da República ou não? Alguém o tem visto? Tenho conversado com algumas pessoas e parece que é unânime, nunca mais ninguém o viu. Alguns já nem se lembram quem é. Das ultimas vezes que o vi estava com má cor, um pouco cinzento, embora nas gráficas tenham alterado as cores para ficar bem nos cartazes. É verdade que já não se ria muito, nada mesmo, por isso até ando preocupado. O que será que lhe aconteceu? Alguém sabe?
Como muita gente parece que teve saudades, aqui fica uma foto da ultima vez que foi visto. Façam download e emoldurem. Fica bem em cima da mesa ao lado do pisa papéis.

quinta-feira, abril 06, 2006

NÃO HÁ FOME QUE NÃO DÊ EM FARTURA!


Ontem a STCP hoje a CMP.
Lembram-se de uma laracha que eu deixei aqui sobre a passadeira que não existe para quem vem do Metro - Estação Casa da Música e atravessa para a Rotunda da Boavista? Chamava-se "olhá passadera" e remetia para os pregões das vendedoras de passadeiras da Igreja de Benfica.
Foi no dia 2 de Fevereiro. Nesse mesmo dia eu registei-me no site da CM do Porto, o que se chama Bom Porto. Pois hoje recebi a minha password de Municípe. Consegui finalmente chegar a Bom Porto. Não é demais? E foi rápido, muito rápido mesmo. Tão rápido que até já me tinha esquecido.
Mas enfim, até me sinto mais importante. De repente tenho uma sobracelha mais levantada, o queixo levantado e um olhar superior. Desculpem lá mas não consigo controlar, é mais forte que eu.
Dois meses para me darem uma password?! Ainda bem que hoje não é 1 de Abril senão pensava que era treta.
Passwords. Tão básicas nos tempos que correm. Temos tantas que infelizmente até nos esquecemos de algumas.
Mas agora finalmente sou um Munícipe. Serei um ser vivo de outro planeta, uma daquelas criaturas que vivem nas profundezas do mar? Um animal descoberto há pouco tempo nas entranhas da selva Amazónica? Não, sou mesmo um animal que vive em cativeiro.
Agora que sou um Municípe com uma Password (até parece uma doença) vou-me indignar um bocadito para daqui a dois meses ter resposta.

quarta-feira, abril 05, 2006

RECLAMAR É PRECISO!


Temos de estar atentos e reclamar mesmo que não nos respondam. Será que me vão responder? Deviam.

Gostaria de apresentar queixa do condutor que hoje, dia 5 de Abril - quarta-feira, pelas 9h50 da manhã conduzia o autocarro nº 3011 da vossa carreira nº77 direcção - Aliados.
A situação que vos reporto aconteceu na paragem do Viso (junto ao Metro).

Uma senhora de idade, de muletas e com uma perna visivelmente inchada, viu o autocarro em causa passar por ela. Estava a menos de 10 metros da paragem. Acelarou o máximo que pode para o apanhar. Gritou e pediu às pessoas que estavam na paragem para falarem com o condutor para este esperar um pouco. Convém que eu vos especifique que este "pouco" são uns segundos. 10 no máximo. O vosso condutor ouviu perfeitamente a pessoa da paragem à qual até respondeu. Não sei o quê. Fechou a porta e arrancou. A senhora ficou a escassos 5 metros da porta da frente.
Tive a oportunidade de assistir e tomar nota deste acontecimento. Indecente é pouco.
Este senhor devia ser chamado à atenção, porque não está a cumprir bem o seu papel de funcionário público. Pode até cumprir os horários e ter uma folha exemplar, mas está num lugar onde deve prestar um bom serviço às pessoas, principalmente as mais debilitadas. Pessoas estas que com ou sem muletas lhe pagam o ordenado que recebe todos os meses. Convém que ele não se esqueça disso.
Expliquem por favor isto ao vosso funcionário: apenas 10 segundos podem diferenciar um excelente de um péssimo serviço, um óptimo funcionário de uma pessoa egoísta.
A senhora só tinha muletas, estava desarmada. Tive a coragem de falar com ela, ia ao médico.

João Matado

QUAL DELES O MELHOR

(Voz de rádio fanhosa dos anos 60) E hoje trago-vos duas fantasticas surpresas, duas pérolas, dois hits de arrepiar os pêlos do cú, duas musicas fantasticas, dois video clips milagrosos que dão luz a um cego!


hit nº1: Chatarrão e as suas Chacarronas

(Gosto especialmente do refrão. É tocante)

hit nº2: Hooga, hooga, chaka huga!
(Nem sei do que gosto mais).

Agradecimento especial à Patricia e ao Pedro que me enviaram estas duas maravilhas da Natureza.

This page is powered by Blogger. Isn't yours?